Bike em Terra

Bike em Terra
Topo do Marão 1420 metros (mais ou menos *)

sábado, 24 de março de 2012

PS: - "Ahhh agora entendo o vosso nome....."


Para memória futura fica aqui o relato de mais um passeio dos Enterras por terras do Marão, o primeiro deste ano e, a julgar pelo estado da nação e pelo meu bolso, um dos últimos... E éramos muitos à partida, treze no total. Claro que o Areias vale por dois pela forma como pedala e está disponível para nos acompanhar. Agora pensem… No final alguns acabaram de papo cheio mas com um banho de água fria, mas já lá vamos.

Partimos do local do costume, Sanche, no sopé do Marão na sua vertente voltada para oeste e, também como é habitual, começou logo a doer pois o nosso guia assim fez questão. Visitamos o Picôto (tradição), também um novo arruamento em calçada portuguesa e depois começou o verdadeiro passeio e a nossa história. O dia estava cinzento mas com temperatura agradável.

A esta altura com certeza estão a pensar no título da crónica, ou não e já navegaram para um site mais interessante, por exemplo de gajas… em lingerie… onde se janta… Mas o nome nada tem de extraordinário, sendo apenas uma forma representar uma ideia, sem ser directo como uma representação de pixéis e, não tem nem pretende ter, qualquer conotação religiosa.

Claro que o David é o que estão a pensar, um companheiro de viagem que parece-me tão cedo não voltará a pedalar. Isto se mantiver o ritmo que trazia, ou seja, um passeio de 4 em 4 semanas… Claro que levar um pacote de bolachas ‘Maria’ no alforge não ajuda… No fundo é o mesmo que ir para a política para ajudar o país: a ideia é boa mas chega-se ao fim e o pacote está cheio…

Voltando à história, David lutou contra Golias, derrotando-o. A metáfora do Golias representa naturalmente o Marão, por ser grande, difícil de ultrapassar e na história, se se recordam, existia uma funda, pois também aqui ela existiu. Onde? Por exemplo na ponte Guiné sobre o rio Olo! Depois de uma descida enorme - mesmo grande diria - percebi logo que tínhamos chegado à tal funda e o nosso David começou cedo a dar mostras de que a luta ia ser grande, percebi isto mas claro que me mantive quedo… A ver onde isto vai… Mas era cedo, muito cedo…

Depois da passagem por Mouquim, atravessamos uma ponte pênsil em madeira, numa zona de pesca reservada. Um sítio magnífico e outra funda. A seguir claro que vinha uma subida… Tinha quinhentos metros, segundo o Areias. Mas esta não era uma subida, era ‘A subida’! De tão íngreme e difícil basta dizer que o nosso Chefe, em jeito de penitência, chegou lá acima a pé como nós, mas a puxar duas bikes… Golias 1 – David 0. Adiante apareceram as cãibras em ambas as pernas, ao mesmo tempo… Golias 3 – David 0. Chegamos a uma encruzilhada: - Vamos por Campanhó? Descemos e depois subimos? Nem pensar… Novas cãibras, nas mesmas pernas e em simultâneo: Golias 5 – David 0. Mas o alto de Espinho estava ali, a 1021 metros de altitude. O gigante finalmente tombava… Grande David! Resultado final: Golias 5 – David 6, após prolongamentos e alongamentos...

Dali até ao banho de água fria foi um ápice a descer pela N15 e as sandes do Marco desta vez foram bifanas! Grande passeio cheio de zonas espectaculares! Já o disse várias vezes, e não me canso, são das mais bonitas do nosso* país!

*Por enquanto

quinta-feira, 22 de março de 2012

Outro "buraco minhoca" na Maria da Fonte???

Os Emterras e os seus amigos no fim do passeio dos Trilhos Maria da Fonte, por sugestão minha que sou um vaidoso, compraram uma recordação (fotos) do passeio ao fotografo da prova o Paulo Ministro.
Eu como cliente habitual do fotógrafo, depois no dia seguinte peço-lhe sempre as fotos em formato digital. Desta vez não foi diferente e por sugestão do próprio pedi também dos meus amigos que compraram, até aqui tudo bem.
Mas como eu tenho já alguns workshops ministrados pelo Chefe, tentei por em prática o que tenho aprendido. Na minha mensagem através do FB a pedir os ficheiros das fotos, inclui o dorsal do Morcão e do TuÔsix para ver se colava, e assim eles também teriam a sua recordação.
Eis a resposta que obtive do fotógrafo:



Paulo Ministro
  • Boa noite Carlos,
    O 54 não comprou as fotos mesmo assim enviei as fotos por ser voçê a pedir o 180 não encontro.

  • Abraço


Agora pensem......


o Único com a roda no ar

domingo, 18 de março de 2012

A fonte da Maria

Este sábado contámos mais uma visita às terras de Lanhoso e não tivemos de correr para os dorsais. Mas lá conseguimos pedir mais um ou dois errados. Enfim, nada de muito novo neste aspecto e eles já nem devem levar a mal, somos os enterras do costume...

Fomos recebidos por um péssimo tempo, a fazer esquecer os belos dias calor e céu azul que fizeram durante a semana. Ainda assim, foram mais de 40 os que se fizeram de bike connosco em direcção àqueles lugares.

Também continuando tudo como é habitual, foi uma fonte enorme de momentos bem passados e outros nem por isso...

Exemplo? O Tu não pôde aparecer, eu pelo menos não me lembro de o ver, e que falta fez a ferramenta dele, que falta... O NNY que o diga... Antes de virar os pés por cima da cabeça e, pelos vistos, a bike também, e rebentar* a corrente em dois sítios! Irra... Melhor! Trazia um elo de aperto rápido que não apertava e ainda por cima estava a ser ajudado por um chefe que não mandava e um mecânico morcão! Mas com um Bom bocado de sorte e as ferramentas de uns amigos lá se conseguiu pôr o homem a mexer.

O Coutinho trazia a novidade do costume, neste caso uma câmara de filmar e dois amigos. Estou em pulgas para saber o que vai sair dali... Se eu tiver dito alguma coisa que não devia nego tudo! São escutas ilegais com certeza! No mínimo! Ou até se tiver sido apanhado com ela à mão... Continuo a negar.

Tenho que confirmar os tempos mas pelos andamentos diria que ficamos nos que acabaram...

Positivo também me pareceu a forma como o NNY encarou as adversidades, pois depois de estabelecer uma nota técnica muito alta no mortal encarpado e quase passar o Coutinho a ferro e perder uns elos importantíssimos na sua corrente, conseguiu frieza suficiente para não pegar numa ou duas velas e rebentar* com algum calhau, só para destressar...

* não é propriamente descabida, e pode ser lida como estourar.

Acabámos era quase Domingo com uma bela francesinha e umas quantas chamussas na Póvoa de Varzim.

sábado, 17 de março de 2012

Maria da Fonte 2012




domingo, 11 de março de 2012

une odeur petite

http://www.youtube.com/watch?v=EoN2JGZw6Jw

Uma anacona em Valongo

Quem diria?... Quem diria que os enterras haviam de encontrar um espécime novo de réptil em plena serra de Valongo?! Sim, mas já lá vamos, primeiro a introdução:

Depois de um inverno pouco rigoroso (só comparável com a nossa classe política) chegou finalmente a altura de nós, Enterras, pormos de lado as roupas pesadas e nos fazermos ao monte, mais propriamente ao alto de Quintarei. Nem chegámos a discutir o percurso, parecia que só havia um, era aquele e mais nenhum, isto depois de uma hora a preparar as máquinas e a ouvir e apreciar as novidades. O sol já ia alto quando finalmente partimos em grupo, uns à frente e outros atrás, o costume quando o Chefe serve de guia. Viu-se logo que o Tu estava irrequieto, tal como o NNY, que ao que parece vai deixar de nos fazer companhia para ajudar a nossa balança de transacções... Força NNY, tu estoura com eles!

E eis senão quando chego a uma área florestada, o que é cada vez mais raro naquelas bandas, e encontro os enterras de volta de uma coisa inanimada e negra, assim tipo de borracha e com um dente que parecia metálico. Também me pareceu ouvir um ligeiro sibilar: ssssssssssss... Mas podia ser o Chefe... Ele e o Cute tentaram reanimá-la aplicando ar forçado através de um tubo que o Tu trazia, assim tipo reanimação nas Marés Vivas. Mas o animal não reagiu de imediato, só depois do Tu explicar como se fazia é que o animal (a anacona) lá começou a dar sinais de vida, inchando lentamente. Depois do NNY registar aquele momento, várias vezes, o Cute achou por bem enfiá-lo na sua roda, certamente para proteger o réptil, que denominamos Anacona Valelonguensis Enterrensis.

Deixo-vos com as imagens para tirarem conclusões:



Trouxemos também a informação que um enterra, basicamente o mais radical (não revelo nomes), quando entra numa loja e vê algo que lhe agrada pede:

- Por favor, posso experimentar aquele casaco M?
- Aquele se calhar não - responde a funcionária, olhando-o de alto a baixo - temos ali um XL, eu vou buscá-lo...
Depois de experimentar e observar-se ao espelho, pergunta:
- Desculpe, por acaso não tem um XXL?...

Como podem observar, o espelho não mente, é como o morcão... Eu disse que estava em baixo...

quinta-feira, 8 de março de 2012

O Marão / Palha na cama II / Leva o casaco que tá frio

Caros Enterras, Após análise á renhida votação, penso ser consensual se disser que se tudo correr bem vamos ao Marão no próximo dia 24 de Março. Certo ? Fica então aqui o convite ! Por se tratar do Marão, e também porque é sempre conveniente atribuir um nome à operação, gostaria que dessem ideias para o mesmo. Eu, por mim seria "os Enterras e os outros e vice-versa". E não, não é com o alcance que vocês estão a pensar. É que em principio não vão só enterras, sendo que todos os que forem estarão enterradinhos neste hobby que é andar de bike (e tratar delas). Por isso, aqui fica o convite. Em principio, irá ser feito antecipadamente um reconhecimento para tentar descobrir um caminho que leve ao alto do velão. Este reconhecimento terá lugar algures num dia util da próxima semana e para já, eu e o Chefe estamos nessa. Se alguém quiser/puder vir, será bemvindo. Abracios